quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Mais um mês e meio

Em um mês e meio:
Posso te levar ao teatro
não ter discussões inúteis
sentar ao seu lado sempre que possível
ver o quanto somos parecidos
andar descalça pelo quintal enquanto vemos nuvens
simplesmente assistir seu riso
integrar nossas almas
fazer seus pedidos
pagar suas contas
tudo que sempre fez comigo
sem que eu nunca notasse perigo

By Tati Carcanholo

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Um dia difícil


por Tatiane Carcanholo



RUMO SEM PASSAGEM CERTA


Quero crer no que creio agora

Da prisão que reverte ao nada já basta meu corpo.

Quero antidemonstração

Quem procura a agulha nunca acha.


Quero sonhos mais ricos que os vistos

Tenho o quadro e o relógio que quiser.


Quero chegar ao fim da física

Qualitativamente bem.


Da prisão que reverte ao tudo já basta meu corpo

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Burlar la lei

video

Modos de construir uma personalidade, ou os oito problemas principais:

Queremos simplificar-nos, ou diversificar-nos?

Queremos ser mais felizes, ou mais indiferentes à felicidade e à desgraça?

Queremos ficar mais satisfeitos connosco, ou mais exigentes e mais impiedosos?

Queremos tornar-nos mais amigáveis, mais indulgentes, mais humanos, ou mais desumanos?

Queremos ser mais prudentes, ou mais impulsivos?

Queremos atingir um fim, ou evitar todos os fins - como, por exemplo, faz o filósofo para o qual toda a espécie de fins tresanda, despropositadamente, a limites impostos, mesquinhez, prisão, toleima?

Queremos ser mais respeitados e mais importantes, ou mais desconsiderados?

Queremos tornar-nos tiranos, ou impostores?

Pastores, ou carneiros?

Friedrich Nietzsche

Maracatu Atomico

por que no rio tem pato comendo lama?

http://www.youtube.com/watch?v=2krYlM65Ns4

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Idéias idiotas - party II

Direto de Piracicaba:
"Não sei se eu assovio ou se eu chupo cana"
é véio mas é bão

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Idéias idiotas

Prostrei meu vídeo no Iutupi e fui dimentida do trabalho

Happy or Rap -party II

video

BandeiranteskkkkkkkkkkPEt Shop Mundo cão!!!!!!!!!!!!

Happy or Rap

Homenagem póstuma ao Zeca - já que ele morreu sem autorizar nosso vídeo!!!
Já tenho um filho e um cachorro
Me sinto como num comercial de margarina
Sou mais feliz do que os felizes
Sob as marquises me protejo do temporal
Oh meu amor me espere
Que eu volto pro jantar
Ainda tenho fome
Eu vejo tudo claramente
Com os meus óculos de grau
Loucura é quase santidade
E o bem também pode ser mal
Engrosso o coro dos contentes
E me contento em ser banal
Loucura é quase santidade
E o bem meu bem pode ser mal

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Trabalho: jornalismo com Drummond

Por Tatiane Carcanholo


Tinha uma pausa no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pausa

uma pausa

uma pausa
no meio do caminho
uma pausa
onde está a minha pauta?
uma pausa
uma pausa................................

domingo, 9 de novembro de 2008

SEXO


Homens

por Tatiane Carcanholo

Na televisão mais um prédio foi destruído
A casa continua cheia de religião, granas e velórios
Acertar o pé é barra
Não limparam as estradas
Na rua são insanos, drogados e simplórios
Pra mostrar que tão longe de ser Deus o Eu foge a qualquer soluço, procura dormitório
Paz pra nós e voz pr’aqueles que nunca souberam o que é um calo



sábado, 8 de novembro de 2008

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Minha Cecília



É preciso não esquecer nada:
nem a torneira aberta nem o fogo aceso,
nem o sorriso para os infelizes
nem a oração de cada instante.

É preciso não esquecer de ver
a nova borboleta nem o céu de sempre.

O que é preciso é esquecer o nosso rosto,
o nosso nome, o som da nossa voz,
o ritmo do nosso pulso.

O que é preciso esquecer
é o dia carregado de atos,
a idéia de recompensa e de glória.

O que é preciso
é ser como se já não fôssemos,
vigiados pelos próprios olhos severos conosco,
pois o resto não nos pertence.

(1962)

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Alvenaria


por tatiane carcanholo


Deixa as mágoas/
Saudade passa,
senão mata /
Já vivi longe mesmo estando/
O poço é dentro/
não tem fundo/
não tem centro./
Peso carregado nas perdas/

Amores, pernas cansadas/

Amizades,dissabores/

sabores e mancadas/
só resta comprar outro ticket/
ver o que tenho /
mastigar as próprias palavras/
já nasci comigo mesmo





A morte importa as pessoas amadas
escolho viver/
assumir minha idéia guia/
doutriná-la para segurá-la/
entender que não há nada que faça/
que altere o destino outro.






Comover não é viver emocionado


é escolher como ver as coisas de fato/




A beleza do afeto, do cachorro, do quintal, do anonimato/


da não satisfação para não satisfazer a si mesmo


porque as coisas acabam no poço

fundo de uma alma inacabada




dou meu ente ao mundo/



porque não sou doente/


sou gente/



sou o humano,/



raso, largo e profundo.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Uma mensagem me salvou


....Diante da vastidão do tempo e da imensidão do universo, é um imenso prazer para mim dividir um planeta e uma época com você..
Te amo meu irmão Marcelo!